Análise – Darksiders 3

ANÁLISE – DARKSIDERS 3 ( VERSÃO PC )

Bem vindo caro(a) leitor(a), à primeira análise de games do Grupo Nerd.

E vamos começar com o recém lançado Darksiders 3 da THQ Nordic.

SETUP

Darksiders 3 está rodando no seguinte setup:

[table id=22 /]

HISTÓRIA

War está preso, acusado pela entidade conhecida como o Conselho do Fogo de ter destruído os sete selos e ter liberado o Apocalipse.

Death, em uma jornada pessoal para tentar provar a inocência do irmão está desaparecido.

Strife, está resolvendo alguma coisa ainda não explicada em algum lugar ainda não revelado.

Em Darksiders 3 a nossa protagonista será a Fury, que é convocada pelo Conselho do Fogo para caçar e recapturar os Sete Pecados Capitais que misteriosamente estão livres novamente na Terra.

De acordo com o Conselho do Fogo, da última vez, foram necessários os esforços dos 4 cavaleiros para capturá-los, mas Fury diz que consegue sozinha e se conseguir quer ser nomeada a líder dos cavaleiros.

O Conselho do Fogo aceita, porém envia uma Vigia para acompanhar Fury nessa empreitada.

 

VISUAL

De fato,  jogo está bonito e os gráficos seguem o padrão da franquia Darksiders, aparentando estar com uma qualidade superior ao de Darksiders 2. Apesar de muitas pessoas alegarem que os gráficos estão com nível da geração passada,  isso não me incomodou.

Enfim, estou jogando na resolução 1920 x 1080.

Todas as opções gráficas estão em ÉPICO, que seria equivalente ao ULTRA e o vsync está ligado.

 

PERFORMACE

O game roda liso a 60fps com tudo no talo.

Apesar das fortes reclamações de lentidão, principalmente no load da versão de consoles, posso assegurar que no PC o game roda bem mais suave. Acredito que o load na minha máquina não chegava a 10 segundos.

Darksiders-III-Fury
Darksiders-III-Fury

Durante o gameplay, houveram poucos momentos em que vi um pouco de lentidão, lag ou mesmo algum tipo de engasgo. Pois o game carrega dentro da fase durante a jogatina,e já vi em vídeos que o game para enquanto está carregando.

Notei uma queda de performace no game nas partes finais. Foram raros os momentos que o game baixou de 55fps, mas eles ocorreram.

As cutscenes rodam 30fps.

Tentei jogar na resolução 4k, porém o game fica oscilando muito e não consegue manter os fps estáveis, apesar do processador e da placa de vídeo estarem com uma folga considerável de recursos, acredito que algo em torno de 30% para mais.

Provavelmente algum problema de otimização que deve ser solucionado com algum update futuro.

Atualizado – Já saíram alguns updates de performace e que modificam algumas coisas no jogo.

 

GAMEPLAY

Joguei no modo DESAFIADOR , que seria equivalente ao Hard, e realmente o game está bem difícil. Dependendo do inimigo, chegamos ao patamar de 1 hit-kill, mesmo com a Fury estando com seu life em 100%.

Apanhei um pouco no começo, mas após pegar o jeito da esquiva com o contra-ataque arcano, o game ficou bem mais divertido.

Fury não possui defesa, e a grande sacada do game é a esquiva no momento certo, no último segundo, o que desacelera o jogo e lhe dá a oportunidade de um contra-ataque arcano que causa um dano considerável nos inimigos.

Fury possui três opções de upgrade:

SAÚDE – Aumenta o life, o que amplia o dano que ela pode receber;

FORÇA – Aumenta o percentual de dano do chicote e demais armas usadas de acordo com o dano de cada arma;

PODER ARCANO – Aumenta o percentual do poder do contra-ataque arcano, dos golpes carregados, dos ataques de fúria e da forma Caos, onde Fury assume um porte maior,  fica invencível e recupera life.

Terminei o game no lv 60, e mesmo enfrentando 1 inimigo por vez você não pode bobear, pois em poucos hits você morre.

Realmente enfrentar vários inimigos ao mesmo tempo é meio que suicídio, mas o game te prega umas peças (não vou contar para não estragar a experiência de vocês), mas é bem satisfatório quando você consegue sair dessas “enrascadas” inteiro.

VULGRIM E ULTHANE

Muita atenção em relação ao VULGRIM.

Darksiders-III-Vulgrim
Darksiders-III-Vulgrim

Pois é, o velho mercenário de almas está de volta. É com ele que você sobe de level, salva o game, e compra itens para auxiliar na sua jornada, além dos atalhos entre as áreas do jogo.

Muita atenção com as almas. Não fique andando de bobeira com elas e, sempre que possível, deixe armazenado com VULGRIM, pois se você morrer as almas ficarão no local que você morreu, bem no estilo Dark Souls, mas diferente da franquia da Fromsoftware, se você morrer novamente elas não vão desaparecer. Porém, caso Fury morra, quase todos os inimigos dão respawn.

Todavia, para fazer o upgrade das armas, você deve ir até Ulthane em Heaven e são necessários itens distintos e eles só servem até determinado level, assim como na franquia Souls.

A exemplo, o item Lasca de Adamantino serve para upgrades até o nível +3. Todavia, para futuros upgrades de níveis mais alto serão necessários outros itens de melhor qualidade. É possível elevar as armas até o nível 10.

Também existem as marcas, que são pedras que são associadas as armas. Eles dão um bônus ativo à arma e um passivo para a Fury. Essas marcas também podem receber upgrades e ai temos dois caminhos, ou usa-se o artefato angelical para upar o bônus de arma, ou o artefato demoníaco para o bônus passivo. Independente do caminho que seguir o upgrade final contempla ambos os bônus.

 

AUDIO

O som do jogo te deixa bem ambientado e você quase consegue sentir o peso das pancadas, tanto nos inimigos, quanto na Fury. Apesar das poucas opções de configuração, o som segura o clima do game.

 

VEREDITO

Nota 8/10.

Tirando a minha burrice em entender o esquema do chicote/gancho (digamos que eu não estava acertando o timing), acredito que o game poderia ter uma maior profundidade em relação à parte RPG, pois o gameplay ficou muito simplificado.

Contudo, eu também senti a ausência de pelo menos outra armadura, ou fazer upgrade na própria armadura da Fury. Ainda por cima que no menu do HUD mostra a armadura da Fury.  Acredito que eles deveriam ter investido e evoluído nessa parte.

Já que em Darksiders 2 isso foi bem explorado.

Infelizmente eu sou obrigado a concordar com algumas análises que dizem que faltou dinheiro para alguns aprimoramentos do game. Isso pode indicar que o game acabou ficando mais curto do que foi planejado originalmente.

Certamente, como todos sabemos, ainda sairão pelo menos 2 DLC´S. Então vamos aguardar para ver se algumas lacunas são preenchidas.
Inegavelmente, eu gostei muito do jogo, dá para notar que a GunFire e a THQNordic fizeram o que podiam em Darksiders 3. Mas acredito que o game poderia apresentar mais conteúdo, principalmente em relação ao enredo principal. O final do game nos dá o um belo gancho para a continuação da saga.

Vamos torcer para que Darksiders 4 não demore mais 6 anos.

 

GAME IN LIVE

Estamos fazendo um gameplay detonado com o nosso parceiro Canal MTG

Estou preparando um material especial sobre a franquia Darksiders com um parceiro de longa data de outro portal.
Novidades em breve!

 

NOTA DO REDATOR

Inegavelmente, o bom e velho hack’n’slash voltou e em grande estilo. Sou muito fâ da franquia Darksiders e estava muito ansioso para ver a continuação da história dos 4 cavaleiros do apocalipse. O game está divertido, mas acho que faltou um algo mais. Achei curto o game, afinal mesmo com a pegada mais voltado para o estilo do primeiro game, eles poderiam ter dado um pouco mais de atenção para o fator RPG. Dependendo das escolhas que se faz no game, teremos algumas cutscenes extras e uma diferença na cena secreta no final do jogo. Se gosta da franquia, pegue o seu controle e divirta-se. Até a próxima.